As vacinas já salvaram muitas vidas ao longo da história e, em 2020, todos aguardam ansiosos pela fórmula que pode resolver o problema da Covid-19. Uma vacina é composta pelo vírus ou bactéria causador da doença, mas mortos ou extremamente enfraquecidos. Assim, o corpo cria imunidade sem precisar ter contato com a doença.

Hoje, existem seis testes no mundo inteiro que procuram alcançar a vacina contra a Covid. Neste post, falaremos sobre cada um deles e você vai entender por que encontrar uma vacina é a melhor solução para o problema. Veja a seguir!

Qual vacina contra Covid-19 vai sair primeiro no Brasil?

Atualmente, existem 163 vacinas contra a Covid sendo testadas no mundo inteiro, mas apenas seis delas estão em fase avançada. Todas essas seis vacinas estão na fase 3 de testes, o que significa que serão testadas em milhares de pessoas para terem seu desempenho comprovado em larga escala.

Oxford-AstraZeneca

No Reino Unido, a Universidade de Oxford se uniu ao laboratório AstraZeneca para trabalhar em direção a uma vacina. Ela inclusive foi apontada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma das mais promissoras contra o coronavírus e testada no Brasil, por cerca de dois mil voluntários da área da saúde.

Sinovac

Na China, o laboratório Sinovac alcançou resultados positivos no desenvolvimento da vacina contra a Covid. Em um teste com 600 participantes, 90% deles apresentaram resposta imunológica. Ela também tem sido testada no Brasil, em parceria com o Instituto Butantan.

Sinopharm

Também desenvolvida na China, a vacina contra a Covid da Sinopharm fez seus primeiros testes em 1.120 voluntários e todos eles desenvolveram resposta imunológica após 28 dias da aplicação. Na fase 3, ela será testada nos Emirados Árabes.

Moderna

O laboratório Moderna, nos Estados Unidos, não divulgou muitos dados nem atestou a eficácia de sua vacina. Mas os testes entraram na fase 3, em que cerca de 30 mil voluntários eram previstos para receber a primeira dose.

CanSino

A vacina da CanSino segue uma proposta parecida com a vacina de Oxford e já mostrou resultados muito animadores em sua fase 2. O índice de imunidade ultrapassou os 90% e até o Brasil entrou na lista de países que podem participar dos testes na fase 3.

Gamaleya

Desenvolvida na Rússia, essa vacina contra a Covid foi uma das mais misteriosas, com processos acelerados e resultados promissores em todas as fases. Mesmo sem divulgar muitos dados, a Rússia já começou a produzir os primeiros lotes.

A vacina é a única forma de controlar a pandemia?

Toda pandemia tem um ciclo de vida que depende dos cuidados seguidos pela população, mas ela pode acabar antes do seu ciclo natural. Para resolver o problema, existem dois caminhos possíveis: a imunização de rebanho ou a vacina.

Na imunização de rebanho, 70% da população precisa se infectar e curar da doença para que ela seja controlada. Essa imunização acontece naturalmente com o passar do tempo, mas foi cogitada a possibilidade de apostar nela de forma proposital.

Os grandes problemas são a quantidade de mortes e o caos hospitalar que seria preciso assumir para apostar nessa solução. Portanto, o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19 ainda é a maneira mais segura e eficaz de resolver o problema.

Qual é a previsão da vacina contra a Covid-19 no Brasil?

Mesmo com testes avançados, a estimativa da OMS é que a vacina não esteja disponível ainda este ano. A previsão é que seja distribuída no primeiro trimestre de 2021, o que não deixa de ser um marco histórico para a ciência.

Até lá, é essencial continuar investindo nos equipamentos de proteção e cuidados pessoais, como lavar as mãos, usar álcool gel, evitar aglomerações e sair quando for realmente necessário.

A vacina contra a Covid-19 já é uma realidade e deve chegar quando a pandemia estiver em desaceleração no mundo inteiro. No entanto, para alcançar esse lugar é preciso continuar investindo em todos os cuidados que tivemos no decorrer do ano.

Este post foi útil para você? Assine nossa newsletter para continuar acompanhando dicas sobre saúde e qualidade de vida em primeira mão!

Proteção coronavírus