Praticar esportes é muito benéfico para qualquer indivíduo, e não é diferente com aqueles que apresentam deficiências. Para que o esporte seja mais inclusivo, são feitos alguns ajustes para melhorar a segurança dos atletas. É o caso do hipismo para pessoas com deficiência, ou hipismo adaptado, um esporte paralímpico aberto a portadores de deficiências físicas e visuais.

Porém, engana-se quem acredita que os cavalos ajudam somente na conquista de medalhas. Esses animais também são muito utilizados para a reabilitação física e social de pessoas com deficiências físicas e portadores de necessidades especiais. Quer entender melhor sobre o poder do hipismo? Continue acompanhando este post.

O hipismo para pessoas com deficiência

O esporte pode ser praticado por pessoas com diferentes deficiências físicas, como paraplégicos, tetraplégicos, amputados, cegos e indivíduos com paralisia cerebral. Para que a prática seja realizada, são utilizados velcros para estabilizar melhor o atleta no cavalo e, nos casos de pessoas com deficiência visual, sinais sonoros. O cavalo deve ser mais manso, dócil e adestrado para lidar com situações inusitadas.

As competições também são um pouco diferentes do esporte regular. No caso dos Jogos Paralímpicos, não há saltos ou concurso completo, somente a prova de adestramento. A prova é realizada em uma pista retangular, com letras nas laterais e o atleta precisa ir de letra em letra realizando desenhos na pista.

A areia da pista é mais compactada para facilitar a locomoção e portadores de deficiências visuais contam com chamadores que os auxiliam a localizar as letras. Nesse esporte, homens e mulheres competem juntos e os cavalos também são premiados, assim como os cavaleiros. 

Equoterapia: o hipismo como tratamento

Além do esporte, os cavalos também são utilizados como uma poderosa terapia ocupacional. A equoterapia é um tratamento que estimula o desenvolvimento de corpo e mente. Ele é muito utilizado como tratamento complementar em indivíduos com necessidades especiais, como Síndrome de Down, paralisia cerebral, esclerose múltipla, autismo e hiperatividade. Além disso, auxilia na reabilitação de pacientes que sofreram derrames.

Graças aos estímulos ritmados e movimentos tridimensionais provocados pelo andar do cavalo, o paciente pode conquistar inúmeros benefícios, por exemplo:

  • aumento do equilíbrio e coordenação;

  • melhora na postura;

  • fortalecimento da musculatura;

  • melhora no sistema cardiovascular;

  • estimulo da psicomotricidade;

  • melhora na autoestima e autoconfiança;

  • estímulo da independência e socialização;

  • estímulo da concentração;

  • diminuição da agressividade;

  • estímulo da fala e melhora na pronúncia das palavras.

No início do tratamento, o paciente é avaliado por uma equipe de profissionais formada por fisioterapeutas, pedagogos, fonoaudiólogos, médicos e profissionais de equitação. Com base nos resultados individuais deles, é indicado um programa de reabilitação específico.

Os cavalos são verdadeiros heróis quando se trata de promover o bem-estar de pessoas portadoras de deficiências. Seja no esporte ou nas terapias ocupacionais, interagir com o animal é uma excelente forma de melhorar a percepção do próprio corpo e promover a autoconfiança.

Seja qual for a sua limitação, nunca deixe que ela impeça você de buscar suas metas e objetivos. Busque sempre ter hábitos saudáveis e manter-se ativo social e fisicamente. Esses são os verdadeiros segredos para conquistar uma melhor qualidade de vida.

Agora que você já conhece os benefícios do hipismo para pessoas com deficiência, descubra um pouco mais sobre o que é a tecnologia assistiva e como ela pode ajudar.

Cadeiras de rodas