Esportes para deficientes representam muito mais que saúde. Existem vários aspectos positivos, especialmente nos campos físico, psíquico e social. A atividade física melhora a condição cardiovascular e aprimora a força, a coordenação motora, a agilidade e o equilíbrio.

No âmbito psicológico, o esporte eleva a autoestima e a autoconfiança, tornando as pessoas mais seguras e otimistas para alcançarem objetivos pessoais. Já no aspecto social, ter esse hábito ajuda a promover a socialização e a aceitação.

Pensando nisso, preparamos este artigo para você conhecer quais esportes podem ser praticados considerando cada tipo de deficiência. Confira!

Esportes para deficientes físicos

Basquete

A altura da tabela, as dimensões da quadra e as regras gerais são iguais às do basquete tradicional. A principal diferença está na classificação funcional que os esportistas recebem.

O valor muda de acordo com o problema motor: quanto menor, maior a pontuação, que varia de um a 4,5. A infração acontece quando o atleta impulsiona a cadeira de rodas mais de duas vezes sem arremessar, quicar ou passar a bola.

Bocha

Nesse esporte, a meta é lançar bolas de cor azul ou vermelha — uma para cada time — o mais próximo possível da bola branca, denominada Jack. Para atingir a meta, é necessário ter muita concentração, precisão e controle muscular.

A bocha pode ser disputada individualmente, em duplas ou em equipes. Pessoas com paralisia cerebral e outros danos neurológicos têm capacidade de desempenhar a atividade. Os jogadores estão liberados para usar pés, mãos e cabeça como auxiliares.

Deficiência auditiva

Handebol

As regras do esporte são as mesmas que a do tradicional. Porém, o handebol para surdos tem alguns traços próprios.

O árbitro deve usar sinais, gestos e apito — já que existem pessoas sem deficiência auditiva no público. A grande alteração é a bandeira, útil para sinalizar determinadas situações de jogo.

Vôlei

Essa prática esportiva desenvolve as habilidades motoras e fortalece o caráter dos deficientes auditivos.

Toda a experiência proporciona melhor qualidade de vida, além de ajudar a superar desafios. Não há diferença nas regras: apenas o uso do apito é substituído por algum aviso visual, como o emprego de bandeiras e sinalizadores.

Deficiência visual

Hipismo

O hipismo figura como prática muito indicada para a reabilitação física e social das pessoas com deficiência visual. As competições são organizadas de acordo com a capacidade funcional dos esportistas.

Nessa modalidade, não há partidas com salto e a areia precisa estar mais compacta. Assim, é possível oferecer maior segurança aos atletas. O local ainda deve ter sinalizações sonoras para orientar os participantes.

Natação

A natação trabalha todas as funções do corpo, por isso é um dos esportes mais completos.

Essa prática também acalma as pessoas, de forma que seus corpos entram em estado de relaxamento. A atividade ainda ajuda na mobilidade dos membros e dá sensação de liberdade.

Em todos esses esportes para deficientes, é fundamental respeitar as limitações individuais e adequar as modalidades aos objetivos pessoais. Por isso, contar com acompanhamento e atenção na hora de executar os movimentos figura como algo primordial.

É essencial, também, respeitar todas as normas de segurança para evitar acidentes e estimular o desenvolvimento de cada indivíduo de acordo com suas peculiaridades.

E aí, gostou das informações do texto de hoje? Então, curta nossa página no Facebook e veja outros conteúdos no seu feed de notícias!